Cadastrar
Esqueci minha senha
Usuário: Senha:
Logar
Você pode utilizar nossa busca por palavra chave ou utilizar os critérios ao lado para obter uma listagem.

Buscar
Buscar
Selecione o Estado Categoria


GASTRONOMIAHOSPEDAGEMINFORMAÇÕES ÚTEIS
Selecione a Cidade Sub-Categoria


Destaques


Newsletter





Aniversário da cidade de Alvorada ; Rio Grande do Sul
Alvorada é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul. Fundado em 17 de setembro de 1965, pertence à Região Metropolitana de Porto Alegre.

História
O município, antes 3° Distrito de Viamão, chamado de Passo do Feijó, emancipou-se no dia 17 de setembro de 1965, conforme a lei estadual nº 5026, e o nome de Alvorada, acredita-se que seja uma referência ao seu povo constituído em sua maioria por trabalhadores que acordavam nas primeiras horas da manhã para trabalhar na capital do Rio Grande do Sul (Porto Alegre). Entre as primeiras sesmarias concedidas do Sul, estão as de Cristóvão Pereira de Abreu, concedida em 23 de junho de 1775. Mais tarde esta mesma sesmaria foi entregue a João Batista Feijó, em 5 de maio de 1776, conforme dados do IBGE. Seria este o marco inicial da origem do povoamento da cidade de Alvorada.

O povoamento se dá pelas famílias vindas de Laguna, que se estabeleceram em Viamão. Com o passar do tempo, após o conhecimento da região, começaram também a ocupar áreas vizinhas. Nas propriedades existiam tambos de leite. A grande maioria eram dedicadas a produção de leite e hortifrutigranjeiros, que não eram muito variados. Serviam ao comércio, a economia de subsistência e alimentação dos animais. Os principais produtos cultivados eram: melão, melancia, aipim, mandioca, batata-doce, e outros.

O meio utilizado como transporte das mercadorias eram as carretas. As carretas já circulavam pelo estado no tempo dos Padres Jesuítas. Em 1737, o Brigadeiro José da Silva Paes, trouxe ferreiros, carpinteiros e madeira para fabricar carretas. Era o único veículo que poderia atravessar as campinas da fronteira do planalto. Oriundos da beira da Lagoa dos Barros e de outras localidades, vinham carroções de quatro rodas puxados por parilhas de cavalos, que traziam melado, rapadura e carvão.

Com o aumento da população e a afluência de carreteiros na região, surgiram as primeiras casas de comércio. Eram armazéns estabelecidos ao longo da estrada. Constituíam-se de prédios de madeira com chão batido, ali vendia-se o fumo, a cachaça, o arroz e miudezas, transformando-se em ponto de parada obrigatória para os carreteiros. Dentre estas casas, as mais importantes eram: o armazém do Sr. Anibal e os armazéns dos Srs. Lothario e Frederico Dihl. As embarcações vinham de vários lugares pelo Rio Gravataí, muitas paravam no Passo das Canoas, devido a dificuldade de acesso por via fluvial a Porto Alegre e redondezas, surgindo então a necessidade de uma estrada que facilitasse um deslocamento mais eficaz. Com a construção da estrada que liga Gravataí a Cachoeirinha e Porto Alegre, o Passo das Canoas foi desativado.

O início da educação deu-se através da contratação de professores, que as famílias de maior poder aquisitivo efetuavam. Eram contratados professores de Gravataí e Porto Alegre. A professora vinha dar aula para os filhos dos proprietários das fazendas. Ela fixava residência na fazenda que a contratava. Alguns desses proprietários proporcionavam o ensino não só aos seus filhos, mas também às crianças das redondezas. Com a preferência ao ensino público oficial, em 1886, na Vila de Viamão havia seis aulas públicas. Uma delas localizada no Passo da Figueira. Mais tarde, aproximadamente entre 1908 e 1910, têm-se conhecimento da escola de Augusta Agripina dos Santos, natural de Porto Alegre e professora estadual. Esta escola era aberta a comunidade, servindo a alunos de várias localidades, tais como Passo da Figueira, Passo do Feijó e adjacências. Em 1911, esta escola atendia a trinta e seis alunos, e localizava-se próxima a uma figueira na atual Av. Frederico Dihl.

Os loteamentos iniciaram por volta de 1940, tendo como uma de suas principais causas, o crescimento populacional das cidades vizinhas. Um dos primeiros loteamentos criado na região, foi o da vila Passo do Feijó. O loteamento foi aberto por um russo que dividiu as terras em pequenos terrenos. Em 22 de setembro de 1952, a prefeitura municipal de Viamão institui oficialmente o distrito de Passo do Feijó, apenas um ano antes de seu vizinho Passo do Sabão[9]. Surgiam também no distrito os loteamentos da Vila São Pedro e sucessivamente outros. Até a emancipação, ocorrida em 1965, o Passo do Feijó e o Passo da Figueira totalizavam 47 loteamentos.

Neste período, das décadas de 1960 a 1970, consolidaram-se algumas áreas preferenciais, onde os vazios urbanos foram sendo preenchidos. O crescimento do comércio e dos serviços se deu naturalmente ao longo da Av. Pres. Getúlio Vargas, notadamente naqueles pequenos centros instalados na década de 50. A instalação de prédios públicos, Prefeitura, Posto de Saúde, Brigada Militar, Correio, grandes escolas, se deu entre os núcleos já citados da Vila Passo do Feijó e aquele junto a empresa de ônibus. Esta ocupação se deu em decorrência de ação das Administrações Municipais, fato que determinou o preenchimento dos vazios entre estres dois centros, diminuindo a importância dos demais.

De 1970 a 1980, ocorreu o fenômeno de origem externa que veio a determinar grandes mudanças na estrutura do Município. O advento do Banco Nacional da Habitação (BNH), com grande volume de recursos para financiar habitações populares, interferiu no processo natural de crescimento da cidade. Grandes núcleos habitacionais foram projetados e alguns realizados. Estes novos loteamentos já dispunham de alguma infra-estrutura, embora esta de pouca durabilidade. A arrecadação municipal cresceu e também a população e o nível de exigência. Foram dados os primeiros passos na busca da industrialização e implantadas algumas obras de esgoto e pavimentação, na parte antiga da cidade, reforçando principalmente os núcleos da Vila Americana e Piratini.

Com o Município semi-desenhado, os anos 80 tem a enfrentar o fim da era BNH. Grandes conjuntos estão inacabados e a pressão por moradia é grande, sensibilizando as forças políticas. Da crise BNH ao fenômeno das ocupações a distância era demasiado curta. As empresas incorporadoras estavam falidas e o seu Patrimônio Imobiliário constituído com Recursos Públicos, estavam disponíveis.[10]



Fonte: Wikipédia


Selos

Turismo Agora - informações turisticas pelo fone: (53) 3228-3819.
Tire suas dúvidas rapidamente com nosso atendimento online 24 horas por dia.

Termos e condições de uso

Copyright © 2008 TRACKDATA