Cadastrar
Esqueci minha senha
Usuário: Senha:
Logar
Você pode utilizar nossa busca por palavra chave ou utilizar os critérios ao lado para obter uma listagem.

Buscar
Buscar
Selecione o Estado Categoria


GASTRONOMIAHOSPEDAGEMINFORMAÇÕES ÚTEIS
Selecione a Cidade Sub-Categoria


Destaques


Newsletter





Aniversário de Jaguari, cidade do Rio Grande do Sul / Brasil
Jaguari, conhecido como a cidade das belezas naturais, é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

Jaguari (Jaguar-y) é uma palavra de origem guarani e significa rio do jaguar

História
O local onde atualmente localiza-se o município de Jaguari teve como primeiros habitantes os índios guaranis. Porém, ao contrário do que muitas vezes se afirma, a Redução Jesuítica de São Tomé não fez parte da fundação da cidade de Jaguari. Esta redução foi fundada em 1632 pelo Padres Manuel Bertot, Luís Ernot, Romero mais Cristóvão de Mendoza e Paulo Benavides nas proximidades da margem direita do rio Jaguari Mirim, onde hoje é a localidade de São Tomé, no primeiro distrito de São Francisco de Assis. Essa, que foi a mais próspera das Reduções da região, não teve um período de duração muito longo, tendo sido abandonada em 1638.[7]

Muitos indígenas remanescentes voltaram a região, habitando, dentre outras, o Sítio em São Francisco de Assis e as margens do rio Jaguari dentro dos atuais limites do município de Jaguari.[7]

Em 29 de abril de 1871 foi criada uma colônia agrícola para nacionais e estrangeiros na costa da Serra Geral, que margeia o rio Jaguari Grande, no distrito de São Vicente, então município de São Gabriel. No ano de 1877, começou o povoamento das colônias de Silveira Martins, enquanto São Tomé que ficou aguardando para ser povoada.

Não havendo mais terras devolutas naquela região, alguns imigrantes desviaram de Silveira Martins para a região de matas entre São Vicente, Santiago do Boqueirão e Júlio de Castilhos, chamada de Jaguari devido ao rio que a percorre. Nesse local, a Comissão de Medição já havia demarcado 78 lotes de 25 hectares cada um, para o futuro núcleo de Jaguari, e iniciado a construção do barracão que deveria abrigar não só o pessoal da comissão como também os imigrantes recém chegados.

O núcleo colônia instalou-se em 1889, à margem direita do rio Jaguari. A urbanização foi planejada e demarcada pelo engenheiro José Manuel de Siqueira Couto, acompanhado dos primeiros imigrantes italianos que obtiveram seus lotes. A estes se seguiram os húngaros, poloneses, russos, alemães, entre outros.

Os primeiros colonizadores foram organizando suas habitações e lavouras em meio à mata virgem, onde a flora e a fauna eram exuberantes e variadas. Nas muitas comunidades que iam se formando, erguia-se, no centro, a capela dedicada ao santo de sua devoção. Ao lado, surgia o salão que, após as devoções, era ponto de reunião para conversa entre amigos e realizações de festas e jogos. A religião entre os imigrantes foi sempre fator de integração.

O distrito de Jaguari foi criado pelo ato municipal de 15 de fevereiro de 1893, no então município de São Vicente do Sul. Neste mesmo ano teve início a construção da igreja matriz, projetada por Pelegrini e decorada pelo pintor Angelo Lazzarini, sendo colocado em uma das torres um grande relógio, ainda hoje em perfeito funcionamento. A igreja tem como padroeira Nossa Senhora da Conceição, e teve sua obra concluída em 1907.

Por volta de 1894, a população de Jaguari aproximava-se dos oito mil habitantes, cerca de 270 famílias. Neste período teve início a instrução publica com dois professores: Gregório Cony e Guilhermina de Lemos Javorski. Ainda neste ano, foi instalada a iluminação a querosene por particulares, o que deu grande impulso ao núcleo que se orgulhava do seu desenvolvimento.

Na sede do distrito havia 88 contribuintes do imposto de indústrias e profissões, e o comércio mantinha-se ativo com a capital e as demais cidades.

Em 1899, quando houve a encampação do serviço de iluminação publica, ocorreu, de forma festiva, a inauguração da ponte Júlio de Castilhos sobre o rio Jaguari. Assim como o sistema rodoviário, também o ferroviário foi uma constante preocupação do administrador da colônia, no que resultou na ampliação do ramal ferroviário de Dilermando de Aguiar até Jaguari.

O município de Jaguari foi capela curada em 12 de dezembro de 1889, passando a ser paróquia em 8 de dezembro de 1915. Em 16 de agosto de 1920, Jaguari foi elevada à categoria de município, possuindo quatro distritos: 1° - sede, 2° - Santo Izidro, 3° - Ijucapirama e 4° - Taquarichin. Seu primeiro intendente provisório foi o bacharel Miguel Chimiclewisk.


Atrações turísticas

Parque Florestal Azzolin Olson
Balneário Fernando Schiling
CAPEJAR - Clube de Caça e Pesca de Jaguari que oferece diversas atividades durante todo o verão: acampamento e atividades esportivas.
Gruta de Fontana Freda
Parque Florestal Azzolin Olson - localizado próximo ao campo do Guarany, foi uma doação particular para o município e para o povo jaguariense.
Obelisco - Esse local oferece uma bela vista da cidade. Possui um marco que em 1922 foi erguido no topo de um cerro para homenagear o Centenário da Independência do Brasil.
Rota Nostra Colônia - Rota turística colonial formada por doze pequenos empreendedores rurais da colônia jaguariense de origem italiana. A rota tem um percurso total de 30 km no interior do município, passando pela localidade do Chapadão e Fontana Freda. O visitante passeia pelos parreirais, degusta vinhos, adquire produtos caseiros. Passa por propriedades que oferecem café colonial, pesca e conhece o processo da lapidação em pedras gress.



Fonte: Wikipédia


Selos

Turismo Agora - informações turisticas pelo fone: (53) 3228-3819.
Tire suas dúvidas rapidamente com nosso atendimento online 24 horas por dia.

Termos e condições de uso

Copyright © 2008 TRACKDATA