Cadastrar
Esqueci minha senha
Usuário: Senha:
Logar
Você pode utilizar nossa busca por palavra chave ou utilizar os critérios ao lado para obter uma listagem.

Buscar
Buscar
Selecione o Estado Categoria


GASTRONOMIAHOSPEDAGEMINFORMAÇÕES ÚTEIS
Selecione a Cidade Sub-Categoria


Destaques


Newsletter





Aniversário do município de Quissamã, estado do Rio de Janeiro
Quissamã [8] é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro, mesorregião do Norte Fluminense, microrregião de Macaé.

Ocupando uma área de 715,877 km², é limitado a oeste pelos municípios de Carapebus e Conceição de Macabu, ao norte e a leste por Campos, e ao sul pelo Oceano Atlântico. Sua população é de 20 242 moradores (IBGE/2010)[9], com um significativo crescimento desde a emancipação em 1989 —, quando desmembrou-se de Macaé, deixando de ser um distrito deste para se tornar um município independente.

História
Exploração
A região de Quissamã era dominada pelos índios Goitacazes na época do Descobrimento do Brasil.

No primórdio da colonização portuguesa, suas terras fizeram parte da Capitania de São Tomé, mas a região de Quissamã não foi ocupada pelos portugueses. Como a capitania foi abandonada pelo seu donatário, sete capitães portugueses solicitaram as terras da região como pagamento pelos serviços militares por eles prestados nos combates contra os piratas franceses que infestavam o norte do Rio de Janeiro e nas guerras com os holandeses. O governador da capitania do Rio de Janeiro, Martim Correa de Sá, concedeu-lhes, em 9 de agosto de 1627, uma sesmaria que se estendia do rio Macaé e até o cabo de São Tomé e que incluía o território atual de Quissamã.

Os índios Goitacazes da região foram atacados em 1630 pelos índios tupinambás cristianizados da Aldeia de São Pedro e, em seguida, dizimados por expedições militares de portugueses do Espírito Santo (estado). A região ficou praticamente vazia, o que facilitou sua colonização posterior.

Entre os anos 1632 e 1634, os sete capitães fizeram várias expedições de exploração da sesmaria que tinham recebido, e conseguiram firmar acordos com as esparsas populações locais, formadas por índios, mamelucos e náufragos. As suas aventuras foram relatados pelo seu líder Miguel Aires Maldonado na obra denominada Roteiro dos Sete Capitães.

Patrimônio histórico e cultural
Quissamã possui um dos maiores patrimônios históricos e culturais do Estado do Rio de Janeiro, especificamente relacionado com o desenvolvimento e apogeu da produção do açúcar no norte fluminense.

Destacam-se várias construções bem preservadas e abertas à visitação como a Casa da Fazenda Mato de Pipa de 1777 (a mais antiga casa de senhor de engenho do norte fluminense) e a Casa da Fazenda Quissamã de 1826 (que pertenceu aos viscondes de Araruama e de Quissamã e, atualmente, é um museu). Existem vários outros solares do século XIX bem preservados como os das fazendas São Manoel, Santa Francisca, Melo, Floresta, entre outros.

Outras construções de importância história estão abandonadas, como a Casa da Fazenda Mandiqüera e o Engenho Central de Quissamã (o primeiro da América Latina).

Há ainda ruínas imponentes como a Casa da Fazenda Machadinha, que pertenceu a um neto do duque de Caxias, cujas senzalas estão ainda habitadas por pessoas que preservaram uma culinária típica e o canto e dança do fado de Quissamã, uma forma de jongo.


Fonte: Wikipédia


Selos

Turismo Agora - informações turisticas pelo fone: (53) 3228-3819.
Tire suas dúvidas rapidamente com nosso atendimento online 24 horas por dia.

Termos e condições de uso

Copyright © 2008 TRACKDATA